Setembro Amarelo

Há quem chame de frescura. Ou diga que a pessoa tá tentando chamar a atenção. O adolescente tá fugindo das responsabilidades. E tem sempre o que fala “mas fulano tem tudo na vida! Não deveria ter depressão”. Infelizmente, ainda não damos a devida importância às doenças mentais.

Somos uma geração ansiosa, digitalmente estimulada, mas carente de habilidades socioemocionais.

Chamamos o depressivo de preguiçoso, o bipolar de louco, o esquizofrênico de…vixe, melhor sair de perto!

Uma geração que gosta de opinar, de agredir e de julgar sem medir as consequências. Temos medo de admitir que precisamos de ajuda. Temos pavor de sermos rotulados emocionalmente instáveis, loucos, problemáticos. Colocamos os problemas debaixo do tapete, um dia tudo passa…

Nem sempre vai passar. Nem sempre o Yoga, a meditação, os vídeos daquele coach motivacional no Youtube serão suficientes. Doenças mentais DEVEM ser levadas a sério.

A depressão nem sempre está estampada na cara de quem a carrega. Não é frescura, preguiça e não basta “pensar positivo para ficar bem”. Não adianta falar que “você tem tudo que precisa” ou que “fulano tem uma vida mais ferrada do que a sua e é feliz”. Depressão é um machucado na alma.

Convivo desde criança com pessoas que sofriam/sofrem de distúrbios de saúde mental. Leio muito sobre o assunto e fico atenta aos meus sinais e aos daqueles que estão ao meu redor.

Há poucos dias, vi num relatório da OMS que o Brasil é o país mais deprimido da América Latina. Somos também o povo mais ansioso do MUNDO. Enquanto os índices de suicídio caíram em outros países, a taxa entre adolescentes brasileiros aumentou em 24% nos últimos anos. 😔

Observe aqueles que estão ao seu redor. Dê amor, atenção, carinho e respeito. Acolha e escute ativamente. Mas, lembre-se que a pessoa deve ser acompanhada por um profissional qualificado. O dever de curar não é seu e você jamais deve se sentir culpado por não conseguir ajudar alguém que rejeita ajuda.

Você pode se despir de julgamentos e oferecer a sua empatia. E esses já são dois remédios importantes para ajudar quem precisa de um curativo na alma.

Sponsored Post Learn from the experts: Create a successful blog with our brand new courseThe WordPress.com Blog

WordPress.com is excited to announce our newest offering: a course just for beginning bloggers where you’ll learn everything you need to know about blogging from the most trusted experts in the industry. We have helped millions of blogs get up and running, we know what works, and we want you to to know everything we know. This course provides all the fundamental skills and inspiration you need to get your blog started, an interactive community forum, and content updated annually.

Colo nunca é demais

Tem gente que tenta ter controle sobre tudo. Eu sou assim. Durante anos tentei resolver muitos dos meus problemas sem gritar por ajuda. Eu tinha receio ou talvez vergonha de falar: – Não sei o que fazer. Você pode me ajudar?

Nunca tive vergonha em compartilhar os meus problemas com os amigos e familiares. Na verdade, eu tenho muita facilidade em falar sobre eles até com desconhecidos – sempre depois de encontrar uma solução. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“Você é muito forte”, é o que ouço com frequência desde novinha. E, se não era verdade, canalizei essa frase até me convencer de que sou sim, forte demais.

Porém, essa história toda de ser forte também mexeu um pouco com o meu ego. “Se sou forte, não preciso de ajuda. Eu dou conta. Tenho controle sobre isso”. Só que nem sempre eu tenho. Ninguém tem. Não há como ter.

Já faz um tempo que venho tentando mudar. Ainda seguro o choro quando os problemas são meus, apesar de chorar quando ouço alguém desabafar.

Já me convenci de que pedir ajuda não vai desconstruir a minha imagem de forte – porque é disso que eu tinha medo. Vai mostrar que sou forte o suficiente para reconhecer quando preciso de uma mãozinha. E, cá entre nós, admitir que se tem um problema por si só já é uma puta de uma atitude de quem é forte, né?

Aprendi que pedir ajuda é ser gentil comigo mesma. É tirar o peso da capa de uma pseudo-heroína e me permitir ser mais humana. É dar uma trégua aos ombros – pois eles pesam muito em alguns pontos dessa caminhada. É perceber que quando somos honestos com os que nos rodeiam e admitimos que há um problema, a ajuda chega até sem a gente pedir.

Pedir ajuda é reconhecer que apesar de sermos muito capazes de carregar aquele fardo nas costas, não há problema algum em fazer uma pausa no meio do caminho para pedir uma carona – ou aceitar quando alguém a oferece.

Eu continuarei sendo forte. Mas pode ser que eu ganhe mais colo. E colo nunca é demais, né?

Sobre o meu nome

Nos primeiros 15 dias de vida, não tive nome. O meu pai e a minha mãe não chegavam num consenso. Bianca, ela queria, já que eu era a coisinha mais branca que ela já havia visto. Ele queria Ana Laís.

Aritta foi uma decisão de última hora. O nome era pra ser dado à uma tia. Porém, a minha avó teve complicações no parto e prometeu que se ela e a bebê sobrevivessem, a chamaria de Maria D’Ajuda. As duas foram salvas.

O nome continuou na gaveta por mais de vinte anos, até que o meu pai decidiu que eu não seria Bianca, nem Ana Laís:

– É A-R-I-T-A! Não, põe um T a mais que fica melhor.

– Ok. A-R-I-T-T-A – respondeu o rapaz do cartório enquanto franzia a testa.

Vovó Áurea finalmente teve o seu desejo realizado. Coincidência ou não, cinco anos mais tarde ela se tornaria a minha mãe.

Passei a infância inteira sem gostar do meu nome. Achava péssimo ser a única Aritta na escola, no meio de tantas Anas e Marias. Menti diversas vezes ao me apresentar para adultos. “Meu nome é Carolina mas, todo mundo me chama de Carol”, dizia. Na maioria das vezes, eu era traída pela minha tia Mary, aquela de quem eu roubei o nome. “Ariiiiitta, saia um pouco do mar. Deixa o pessoal em paz”, ela gritava da areia. ”É Aritta Carolina”, eu explicava aos meus novos-quase-amigos.

Não mentia para as crianças. Eu não me importava muito com a opinião delas. Os adultos é que não podiam me achar estranha, já que o meu sonho era ser como eles.

A minha fixação pelo nome Carolina era tão grande que a minha prima Carlinha e eu batizamos as nossas duas bonecas de Ana Carolina e Amanda Carolina.

Acho que também sugeri o nome para todas as grávidas que encontrei naquela época.

Anos mais tarde, já adolescente, me acostumei com o fato de ter um nome original. Me olhava no espelho e não via uma Ana, uma Maria, uma Bianca e nem uma Carolina. Eu via uma A-R-I-T-T-A. Pois era assim que tinha de ser. Um nome forte, incomum e com um importante significado: foi o nome que a minha vó escolheu.

About my name

For the first 15 days of my life, I had no name. My parents could not agree. My mother chose Bianca, because I was so white you could see my veins. My father preferred Ana Lais.

Aritta was a last minute decision. The name was supposed to be given to my aunt. However, my grandmother had complications with the childbirth and promised that if they survived, she would call her daughter Maria D’Ajuda.

Mom and baby survived.

Aritta remained in the drawer for over twenty years. My father finally decided that I would not be Bianca, nor Ana Lais.

– Register there: A-R-I-T-A. Actually, put an extra T so it looks better.

-OK. A-R-I-T-T-A it will be – replied the guy at the office with a bit of hesitation.

Grandma Aurea finally had her wish fulfilled. Coincidence or not, five years later she would become my mother.

I spent my entire childhood disliking my name. I didn’t like being the only Aritta in school, in the midst of so many Anas and Marias.

I lied several times when I introduced myself to adults. “My name is Carolina, but everyone calls me Carol,” I would say. Most of the time, I was betrayed by my aunt Mary, the one who almost died and from whom I stole the name. “Ariiiiitta, get out of the water. Leave these people alone, “she screamed from the sand. “It’s Aritta Carolina”, I explained to my new-almost-friends.

I didn’t lie to children. I didn’t care much about their opinion. However, I wanted adults to like me and not find me strange, since my dream was to be like them.

I was so obsessed with the name Carolina that my cousin Carla and I baptized our two dolls Ana Carolina and Amanda Carolina. I think I also suggested the name for all the pregnant women I met at the time.

As a teenager, I got used to having an original name. I looked at myself in the mirror and I did not see an Ana, a Maria, a Bianca or a Carolina. I saw an A-R-I-T-T-A. For that was how it had to be. A strong, unusual name with an important meaning: it was the name my grandmother chose.

Amar é…

Entender que, ao contrário do que os clichês ensinam, nem sempre os sonhos serão os mesmos. Se cada um se esforçar um pouquinho, de repente dá pra realizar os sonhos dos dois.

Amar é ter empatia e compreender que, por trás de certos comportamentos irritantes, há uma pessoa criada de uma forma completamente diferente da sua.

É ter paciência, paciência, paciência…

É somar o melhor de dois sem esquecer que nem sempre os dois estarão em sintonia. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Amar é se desfazer de preconceitos, conviver sem rótulos e acreditar numa história que só pertence a vocês – mesmo que o roteiro pareça absurdo para o resto do mundo. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Amar é ensaiar, errar, desistir, voltar atrás, insistir e acertar a cena.

É descobrir que você já não se chateia com bobagens que te chateavam no início, pois chato mesmo é querer moldar o outro ao seu modo.

Amar é perceber que a paciência lá de cima está acabando e respirar fundo…pois se a gente espremer, às vezes dá pra encontrar um pouco mais.

É compreender que cada amor se constrói de um jeito e ter a sensatez de aceitar que, por mais louco de amor que esteja, você ainda é o único responsável pela própria felicidade.

Amar é ficar ao lado mesmo quando aquele que era sol passa a ser céu nublado. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

É insistir no seu papel, ainda que alguns digam que talvez seja a sua hora de sair de cena. Porque é longe dos olhares do público que o amor entre dois prova valer a pena. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Já disse D2 certa vez: “Amar é para os fortes”.

Na cafeteria

Ontem sentei sozinha numa cafeteria e pedi um capuccino. Quando a bebida chegou eu percebi que não era aquilo que eu queria. Eu nem gosto mais de leite.. onde eu estava com a cabeça?

A xícara repousava sobre a mesa e, enquanto eu usava uma colherzinha para fazer círculos na bebida, observei as mesas ao meu redor. Putz, esse negócio não vai descer redondo… estou prevendo uma azia.

Na mesa da frente, um rapaz digitava rapidamente em seu laptop. Um frio e triste croissant parecia esquecido numa cestinha ao lado do computador. Ele estava ocupado demais para desfrutar do seu café da manhã.

Eu não entendo quem – em bom estado de saúde física e mental – consegue facilmente ignorar comida. O croissant só precisava de 5 minutinhos de atenção. Talvez até menos…

Um pouco mais adiante, duas moças riam enquanto uma delas mostrava algo em seu celular. Alguém que ela conheceu no Tinder, talvez? Uma mensagem engraçada do namorado? Poderia ser uma foto do filho fazendo estripulias. Não dava pra saber.

No caixa, a funcionária aproveitava uma brechinha na fila para beber um copo d’água. “A Vânia vai passar aqui amanhã. Ela tem que pegar um cheque que a dona Teresa vai deixar pra ela”, falou pra outra moça que organizava os iogurtes na geladeira.

Vânia deve ser uma antiga funcionária. Teresa provavelmente é a dona da cafeteria. Será que ela foi demitida? Será que Teresa é uma daquelas chefes que ninguém gosta? Ou será que Vânia saiu por ter encontrado um trabalho melhor? Ela pode estar de licença, pode estar de mudança, pode ter aberto o seu próprio negócio… são tantas as possibilidades!

O capuccino já estava morno, eu não corria o risco de queimar a língua. A azia, porém, ainda era um risco eminente.

O rapaz continuava a digitar sem parar. Me deu fome. “Moça, me vê um croissant, por favor?” – fiz o pedido, enquanto contava os trocados espalhados pela bolsa. “É pra comer aqui ou pra levar pra viagem?”, ela me perguntou. “Pra viagem! Não! Desculpa, vou comer aqui”, respondi. Afinal, eu tinha fome e tempo de sobra para dar atenção àquele croissant quentinho. Foram só 4 minutinhos. E eu nem tive azia depois.

O único peso que importa é o das nossas conquistas e dos nossos sonhos

Eu sempre fui muito chorona. Não tinha vergonha de chorar por qualquer motivo. Nos últimos dois anos, porém, conto nos dedos as vezes em que me dei ao direito de chorar. Não lembro se começou quando alguém me disse que eu era “muito forte”, ou que eu “sabia encarar meus problemas de frente”. Só sei que vesti a capa da Mulher- Maravilha e não me dei mais ao direito de chorar à toa.

Encarei a ansiedade, o estresse, a saudade sem derramar uma lágrima. Ontem eu desabei. Desde então, já chorei umas 4 vezes.

Era apenas uma revisão médica, mas juntou a TPM com o fato dos meus exames terem apontado que os meus hormônios da tireóide estavam novamente alterados, para que uma tristeza sem tamanho tomasse conta de mim.

Há anos luto contra a balança. Venho de uma família na qual a obesidade sempre foi um problema. Ao sair de casa, aos 17, tive que me acostumar com comentários constantes do tipo “Nossa, voltou magrinha, como tá linda!” ou “Você anda engordando, hein? Tome cuidado”, “Essas suas pernas parecem de homem, Aritta”, “E esse braço, porque tá grosso assim?”, sempre que visitava a família nas férias.

A minha vó é do tipo que fala o que pensa, sem a intenção de ofender ou magoar. E eu a amo infinitamente – que fique bem claro. Certo dia, enquanto a levava para uma consulta médica, comentei que estava com fome. “Você tem que parar de comer tanto! Se não tomar cuidado, vai ser a próxima na família a fazer bariátrica”.

Quem me vê sempre alegre, cheia de energia e positividade nos posts, não sabe que aqui dentro se esconde uma mulher cheia de complexos. E como é difícil falar sobre eles…

Há tempos venho trabalhando a minha autoestima e sim, em alguns momentos, me sinto a mulher mais poderosa do mundo. Até escrevi um texto dias atrás sobre isso.

Em outros, me arrependo de ter cortado o cabelo tão curto, pois não dá pra esconder o braço fortinho. Os shorts de academia têm cheiro de roupa guardada, já que as calças disfarçam as pernas grossas… e por aí vai!

Os dias que antecediam o meu retorno ao Brasil eram uma tortura. Intensificava o treino, fechava a boca e me apavorava só em pensar nos comentários sobre o meu corpo. Hoje em dia, já não me importo tanto.

Há uns dois anos não sei quanto peso. O meu médico não me julga quando me vê de olhos fechados ao subir na balança. Eu queria que fosse exagero. Mas não é. Infelizmente, o meu comportamento é muito mais comum do que você pensa.

Já melhorei muito. As viagens ao redor do mundo me fizeram valorizar muito mais algumas das minhas características, como o fato de ter me tornado menos materialista, mais consciente e preocupada com o meio ambiente e muito mais focada em me tornar um ser humano melhor.

Também passei a praticar mais a sororidade e, apesar de não me intitular Feminista, quanto mais aprendo sobre o movimento, mais vontade eu tenho de abraçar as mulheres ao meu redor e dizer que a gente pode TUDO.

Todas as noites, vou dormir com o desejo de acordar logo para conquistar o mundo. Também durmo com a esperança de que amanhã, o tamanho do meu quadril não me faça esquecer que eu sou muito maior do que o meu medo de pisar na balança.

Afinal, há algo que nós, mulheres, muitas vezes esquecemos: tendo saúde, o único peso que importa é o peso das nossas conquistas e dos nossos sonhos.

P.s: O texto não é de hoje. Faltou coragem para publicá-lo antes.

Eu só queria mesmo escrever

Os meus traumas, medos e inseguranças me acompanharam (e ainda me rodeiam) por 11 anos. Meus textos – cheios de desabafo e histórias de infância – eram, e continuam sendo, a terapia que eu nunca fiz. Por trás dessa tela, minhas mãos minúsculas tremem ao construir certas frases e, a cada palavra digitada, parecem gritar: eu AMO escrever. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Certos textos possuem uma carga emocional tão grande que vêm acompanhados por uma dor de cabeça terrível. Eu choro enquanto escrevo e depois me sinto leve! Me afundo de cabeça em biografias e memórias, pois quanto mais leio sobre outras pessoas, mais aprendo sobre mim mesma… e mais vontade tenho em compartilhar as minhas histórias. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Não lembro o momento exato em que passei a apreciar o que eu nunca havia enxergado antes: dentro de mim há uma mulher gigante, observadora, ousada, talentosa e inquebrável. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Talvez tenha sido dentro de um abraço ou após aquele obrigada de uma amiga que me ligou pra desabafar. Pode ter sido anteontem, enquanto lia uma carta que a minha mãe me escreveu quando eu ainda era miúda. Ou foi durante aquele banho, depois de terminar um livro super triste, no qual agradeci por cada pedacinho saudável e cada dobrinha do meu corpo. Ô sorte! ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Todo problema que surgir na sua vida vai ser do tamanho e peso que você o dará. Quanto menos você o alimenta, menor ele se torna. Não é pra ter moral no final da história, nem pra fazer sentido. Eu só queria mesmo escrever. E também queria dizer que apesar de pequena, eu sou gigante. Quanto mais eu me convenço disso, menor se tornam os meus problemas. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Tente fazer o mesmo! Bom dia! 💙

Feliz aniversário, meu Marquinho

O nosso time nem sempre jogou bonito. Houve faltas, contra-ataques sem estratégia alguma, muita bola fora e péssimas cobranças de escanteio.

Éramos dois jogadores com posições, línguas e táticas completamente diferentes. A gente não se entendia. Lembra da nossa dificuldade em jogar bonito?

Em quase seis anos de história, são mais de duas mil partidas.

Tá certo que nem sempre dividimos o mesmo campo. Foram tantos cartões vermelhos e expulsões que eu nem consigo contar.

Lembro bem da época na qual sentamos no banco de reservas e até jogamos em times diferentes. Doeu mais do que aquele 7X1.

Amadurecemos, evoluímos, melhoramos a nossa técnica, nos demos mais uma chance. Voltamos a vestir a mesma camisa, dessa vez menos preocupados em marcar gols e mais comprometidos em melhorar a nossa harmonia em campo.

Aprendemos a antecipar os chutes um do outro. Eu mal toquei na bola com meu pé canhoto e você já está lá pra receber o meu passe.

A nossa história é tão linda quanto a comemoração de Bebeto ao marcar o gol na copa de 94; é tão linda quanto o pênalti perdido por Baggio naquela mesma copa; tão linda quanto os gols de Ronaldo na final de 2002. Somos penta e em breve seremos hexa! Mais de cinco anos de história…

O nosso time pode não ser o melhor, mas é cada drible lindo que a gente dá nessa vida, né? Te amo 💛

Sobre a vida de viajante

Islas Ballestas, PeruToda vez que terminamos uma viagem, digo que não quero viajar tão cedo. Sonho em voltar pra Toronto, arrumar a casa que não temos, tirar a meia dúzia de produtos de beleza da necessáire e arrumar tudo na bancada do banheiro. Já falei isso aqui?

Eu sei que esse discurso soa arrogante. Mas, sonho sim em tirar as calcinhas do saquinho e espalhá-las na primeira gaveta da cômoda; sonho em usar toalhas boas, aquelas felpudas, de rico, sabe? Adoro toalhas e lençóis de gente bacana.

Taí uma coisa que eu queria poder carregar comigo: toalhas macias. Mas, não tenho nenhuma.

Sinto falta de ter o meu canto. O Marc não quer nada disso. É mais descolado que eu. Mais desprendido. Quer aproveitar a energia dos trinta pra conhecer o mundo. Só faz questão da bola.

Eu sinto falta das amigas. Da minha rotina. Preciso da rotina. Cansei de tirar e colocar as roupas na mala, cansei de aeroportos, rodoviárias e de engordar e emagrecer na mesma rapidez com a qual mudamos de destino….

Daí, a gente embarca em mais uma aventura e começa a ver lugares como o que vimos hoje. Lugares que fazem a gente sorrir por dentro, já que por fora estamos boquiabertos.

A gente descobre que ainda há paraísos quase intocáveis no mundo. Descobre que a natureza jamais vai deixar de nos surpreender.

E que dá pra esperar um pouco mais pra ter a casinha organizada e decorada do jeito que a gente quer, com lingeries na primeira gaveta e lençóis de 400 mil fios naquela cama delícia que é só nossa.

8 motivos pelos quais você vai se apaixonar pela Tanzânia

Em um post anterior eu contei sobre a nossa passagem pelo Quênia e pela África do Sul durante os nossos 40 dias de viagem pela África. Visitamos o continente no final de 2017 e voltamos encantados com tudo o que vimos!

Ficamos oito dias na Tanzânia, como parte de um dos tours que fizemos com a G Adventures, empresa de turismo de aventura que organizou toda a nossa viagem. Parece pouco tempo, mas deu pra aproveitar muito! Se engana quem pensa que a gente só viu bichos. Há muita coisa para ver e fazer por lá!

E, para quem nunca havia pensado em visitar o país, eu resolvi listar todos os motivos pelos quais eu me apaixonei por lá – e pelos quais você também vai se apaixonar.

1. O país oferece um pouco de tudo

Aventura, natureza, praia e sol, cultura e tranquilidade. Na Tanzânia dá pra ter tudo na mesma viagem! É aquele lugar que não para de nos surpreender.

 

IMG_4579
Fizemos muita coisa, mas também tivemos momentos mais tranquilos, em que observávamos a natureza e refletíamos sobre a grandeza da África

Com planejamento e a ajuda de uma agência de viagens, dá pra ver muita coisa. E não precisa ser aventureiro, já que a maioria dos atrativos oferece opções para todos os gostos e idades. Víamos muitos jovens, mas também idosos e famílias com crianças.

2. Safari  no Serengeti

IMG_4867
O safari no Serengeti foi uma das experiências mais fantásticas das nossas vidas! 

Como expliquei no post anterior, a nossa viagem foi uma das categorias mais baratas da agência que contratamos. É um roteiro feito para pessoas entre 19 e 39 anos que curtem aventuras. Em quase todos os destinos, ficamos em acampamentos (com colchão e travesseiro nas barracas), com a opção de fazermos um upgrade para um quarto ou chalé.

Os campings por toda a África oferecem ambos (espaço para as barracas e um hotel/pousada na mesma propriedade). O Marc e eu acampamos poucas vezes. Pagávamos uns 20 dólares da diferença (pois o camping era incluso no pacote) e pegávamos um quarto.

Em alguns lugares, como no Serengeti, não tínhamos a opção de fazer o upgrade, então acampamos. E foi demais!!! O nosso grupo montou as barracas no meio do parque, sem nenhuma cerca que nos separasse de qualquer animal que viesse a aparecer. Os guias têm muita experiência e sabem bem em quais locais não há perigo em acampar.

Eles fizeram uma fogueira (os animais não chegam perto, pois morrem de medo de fogo), jantamos ao redor dela, ouvimos música, compartilhamos histórias e depois fomos dormir. Durante toda a noite ouvíamos o barulho dos bichos: hienas, leões, macacos…

O único problema era acordar pra fazer xixi. Imagina o medo de caminhar de madrugada até o banheiro, que ficava a uns 100 metros de onde estávamos? Não tive coragem e fiz ao lado da barraca, praticamente só com o bumbum de fora. #todomundofezassim hahahaha

IMG_7794
Esse leão parou no meio da estrada e demorou bastante tempo para sair. Ele nem se abalava com a nossa presença!

Nunca vou esquecer o momento em que vimos bem de pertinho um leão enorme, deitado no meio da estrada, durante o nosso primeiro dia de safari no Serengeti. Me arrepiei toda e parecia uma criança, de tão eufórica! E ele lá, todo majestoso, deitado, relaxando bem pertinho de nós.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Um outro leão e a sua companheira

Chegamos bem cedinho no parque e dirigimos por uma média de 6-8 horas por dia, com paradas para o almoço e lanche. O nosso motorista era excepcional e sabia tudo sobre os animais, os seus hábitos e como chegar bem pertinho dos mais procurados.

IMG_4813
A gente aprende logo a procurar os bichos também nas árvores, pois muitos dos felinos passam horas em cima delas

Para facilitar a vida dos motoristas, eles utilizam um sistema de comunicação via rádio,  assim a gente não perde tempo dirigindo por horas sem avistar animal algum. É claro que mesmo com o rádio, não é sempre que um grupo terá a sorte de ver todos os BIG 5 (os cinco mamíferos selvagens de grande porte, mais difíceis de serem caçados pelo homem) no mesmo dia. São eles: leão, rinoceronte, elefante, búfalo-africano e leopardo.

IMG_5224
Algumas vezes a gente não consegue vê-los, por conta da vegetação, mas os motoristas são craques em enxergá-los bem rapidinho

Muitos bichos não se deslocam com tanta frequência. É por isso que uma viagem para fazer safari deve ter um mínimo de 3 dias de game drive – como é chamado o passeio no carro especial pelo parque. A gente nunca vê a mesma coisa no outro dia. E nos surpreendemos sempre, como se fosse a primeira vez.

 

 

IMG_5102
Há muuuitos baboons pela Tanzânia. Mas, cuidado com esses bichos, pois são rápidos e gostam de roubar os nossos pertences

Quando chegamos no parque, temos a sensação de estar vivendo tudo que vimos no filme O Rei Leão. Sem exageros!!! Tudo faz com que a gente lembre do desenho. Já começa pelo fato de que a expressão hakuna matata (sem problemas, em Swahili) é usada o tempo inteiro pelos africanos. Daí, a gente começa a avistar todos aqueles bichos e a vegetação ao redor… é muito mágico!

IMG_4544
Tem como não lembrar da dupla Timão e Pumba?

3. Ver a migração dos antílopes

Visitamos o Serengeti durante o período de migração dos gnus e outros antílopes, que se movimentam na savana ao longo do ano, nos períodos de seca, em busca de pastagens mais verdes.

O ciclo tem início ao sul do parque nacional, com o nascimento de cerca de meio milhão de filhotes, entre os meses de janeiro e março. Com o fim do período de chuvas, em maio, a terra seca rapidamente e faz com que cerca de 1 milhão e meio de gnus, além de milhares de zebras e outros antílopes se desloquem em direção ao Parque Nacional Maasai Mara, no Quênia.

IMG_4762
São milhares de gnus correndo em fila, na mesma direção, super organizados, enquanto a gente parava o carro e esperava de boca aberta

Em meados de outubro, as chuvas voltam a cair no Serengeti e os animais retornam ao local. Ficávamos um tempão esperando milhares de bichos atravessarem em frente à nós. Eles correm em fila, numa organização que nos deixou impressionados.

 

4. Safari em Ngorongoro

IMG_5109
Vista do alto, da cratera em Ngorongoro

Antes de visitar a Tanzânia, eu jamais havia ouvido falar em Ngorongoro. É uma cratera gigante, formada após anos de atividades vulcânicas e localizada a 2.200 metros acima do nível do mar. Do alto, vemos um buraco enorme, plano, com muita vegetação, que abriga no seu seio quase a totalidade das espécies da África Oriental.

Acampamos na parte alta, onde também ficam os lodges. Passamos apenas uma noite lá, no outro dia dirigimos pela cratera das 7h às 16h. Como estávamos num lugar muito mais elevado, fazia bem frio no acampamento.

Logo que iniciamos o safari em Ngorongoro demos de cara com um grupo com sete leões. Por ser um local bem plano, era muito mais fácil avistar os bichos. São tantas fotos lindas que eu passei horas escolhendo as minhas favoritas. Aqui estão algumas delas:

IMG_4447
No centro da cratera, onde não há árvores para os bichos descansarem em suas sombras, vimos as espécies que não sofrem tanto com o calor

IMG_4474
Os elefantes, por sua vez, preferem circular na “borda” da cratera, em meio à vegetação mais densa, com árvores maiores e onde faz muito menos calor

IMG_4554
Dezenas de baboons em Ngorongoro

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Hiena se refresca em uma poça d’água

5. Conhecer de perto como vivem os Masai

Quando avistei o primeiro Masai (ou Maasai) nas ruas de Arusha, na Tanzânia, fiquei super curiosa para saber mais sobre a cultura da tribo. Sorte minha, o guia que nos acompanhou nos 21 dias de tour era um deles. Acabei aprendendo muito mais do que eu imaginava. 

Os Masai são uma das maiores tribos africanas, encontradas no sul do Quênia e no norte da Tanzânia. São famosos pela cultura nômade: vivem uma média de 6 meses em cada local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Visitamos uma tribo após deixar o Parque Nacional do Serengeti, quando estávamos a caminho de Ngorongoro

Tenho muitas fotos lindas tiradas nessa tribo e acho importante compartilhar a história desse povo, então decidi que farei um post só sobre eles em breve.

6. Stone Town, a Cidade de Pedra

Depois da nossa aventura nos parques Serengeti e Ngorongoro, seguimos viagem com destino à Zanzibar. Mais um carimbo no passaporte! É que apesar de fazer parte da Tanzânia, o conjunto de ilhas tem o seu próprio presidente e a gente passa novamente pela imigração, assim que desembarcamos.

Para chegarmos na Ilha de Unguja (conhecida como Zanzibar), pegamos um ferry-boat em Dar es Salaam. A viagem dura uma média de duas horas e é bem tranquila (fora o tumulto no embarque e desembarque) para aqueles que não enjoam em barcos.

IMG_3776
As portas enormes de madeira talhada são lindas e estão em quase todas as casas 

Você pode não ter ouvido falar na Cidade de Pedra mas, com certeza já ouviu a voz do nativo mais famoso da região: Freddie Mercury. Em alguns restaurantes, vimos quadros com fotos do artista, que viveu em sua terra natal até os 18 anos, quando se mudou para a Inglaterra.

IMG_5467 2
Alguns dos museus estão bem mal preservados, então fizemos um tour apenas pela cidade mesmo, sem visitar alguns dos pontos turísticos

 

Apesar de bem pequena a cidade é considerada a “alma de Zanzibar”, com suas lojas, museus, mercados e restaurantes em prédios coloniais e casas com portas grandes de madeira talhada. Os moradores são, em sua maioria, mulçumanos (mais de 90%), e o contraste entre o que vimos em outros lugares da Tanzânia com o que vimos por lá, é impressionante.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
A orla na Cidade de Pedra fica bem cheia todas as tardes. Há uma feirinha e muitas barracas de artesanatos e comidas

7. As águas cristalinas nas praias de Zanzibar

Quando disse que a Tanzânia é um destino completo na África, eu não estava exagerando. Além de se aventurar nos parques nacionais durante os safaris, você ainda pode curtir uns dias de praia num dos lugares mais lindos que já vi.

IMG_4923
Uma das poucas coisas ruins em Zanzibar, é a insistência de alguns vendedores na praia. Mas, nada que um bom jogo de cintura não resolva

Ficamos hospedados três noites no Amaan Bungalows , um hotel à beira de uma praia chamada Nungwi. O mar tem um azul cristalino espetacular! O hotel tinha um bom restaurante com ótimo café da manhã e opções deliciosas de pratos para almoço e jantar.

Fizemos um passeio de barco ($25 dólares), com direito a snorkeling para nadar com os golfinhos. A praia não ficava cheia e, apesar dos moradores serem super conservadores (afinal, são mulçumanos), temos a liberdade de usar biquínis e roupas de praia por lá (ufa!!).

8. O mais lindo pôr do sol que já vi

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Parece uma pintura, né?

Essa foto foi tirada de dentro da nossa barraca, quando estávamos em Ngorongoro. Não tem filtro e eu passei um tempão sentadinha lá, só observando como a natureza naquela região é tão perfeita. A cada pôr do sol que a gente tinha a chance de observar, eu me arrepiava.

IMG_5365
Pôr do sol em Nungwi Beach, Zanzibar. Sem filtro algum! 

Precisa falar mais? Tem como não se apaixonar por esse país?

Vai visitar a Tanzânia? Então se liga nessas dicas:

  • O visto custa USD50 e pode ser conseguido lá, não precisa fazer com antecedência (pagamento somente em dinheiro, dólar americano)
  • O cartão de vacinação internacional com a vacina de febre amarela é obrigatório
  • Não é permitido usar sacolas plásticas no país (assim como em vários outros na África)
  • Se você está visitando os países de carro ou ônibus, preste atenção aos radares e se prepare para ser parado diversas vezes por policiais, que estão sempre à espera de infratores. Nem sempre a infração acontece, mas mesmo assim eles tentam tirar dinheiro dos motoristas.
  • Ao visitar a Cidade de Pedra, lembre-se que quase toda a população é muçulmana. Portanto, mulheres devem cobrir joelhos e ombros ao circular pela cidade. Nas praias não há problema algum em estar de biquine.